O amor não dói

Com ou sem companhia, será um feliz Dia de São Valentim.

Excepto...

...para quem morre às mãos de quem devia ser a sua cara metade.

...para as crianças que vivem todos os dias num autêntico inferno, privadas de amor, de um lar, de cuidado.

...para quem ainda tem que "perder a vergonha" de se defender.

...para quem desiste de lutar por medo das consequências ou por julgar que não vale a pena.

...para quem se separa, num país em que 25% das separações ocorrem devido a violência doméstica.

...para quem vê desvalorizadas pela própria justiça as agressões de que é vítima "por amor".

Mais do que pensar nos presentes, nas flores ou no jantar, pensemos no respeito pelo outro, no amor que se traduz em cuidado e nunca em controlo, nos gestos que deverão ser sempre de ajuda e carinho e nunca de violência, nas palavras que devem ser sempre de crescimento e nunca de destruição.

Todos temos falhas e ninguém é perfeito durante 100% do tempo, mas importa reconhecer e impor limites. A violência nunca acontece uma vez só. O controlo nunca é inocente. O ciúme doentio não é uma coisa bonita, não é uma prova de amor. Os sinais estão à vista.

É difícil acrescentar algo relevante ao que tem sido divulgado nas notícias nos últimos dias, mas nunca é demais relembrar que os sinais não podem ser ignorados. E que, embora o nosso sistema judicial deixe muito a desejar, o apoio existe e quem verdadeiramente nos quer bem está sempre disposto a ajudar. Segundo a APAV:

"A violência doméstica abarca comportamentos utilizados num relacionamento, por uma das partes, sobretudo para controlar a outra. As pessoas envolvidas podem ser casadas ou não, ser do mesmo sexo ou não, viver juntas, separadas ou namorar. Todos podemos ser vítimas de violência doméstica. As vítimas podem ser ricas ou pobres, de qualquer idade, sexo, religião, cultura, grupo étnico, orientação sexual, formação ou estado civil."


Todos podemos ser vítimas de violência doméstica. E isso não é amor.


4 comentários :

  1. Que post tão bem trabalhado e incrível!
    Parabéns pela tua sensibilidade e por partilhares este texto tão importante connosco. Porque às vezes algumas dessas vítimas podem estar mesmo ao nosso lado sem nos apercebermos... é preciso estarmos atentos e agirmos de modo a perceber como e qual a melhor forma de ajudar quem precisa!

    ResponderEliminar
  2. Um texto bem pertinente, ainda para mais quando Portugal está a ultrapassar os Estados Unidos e até mesmo o Brasil nos casos de feminicídio. A violência doméstica (incluindo contra idosos e crianças) está a tomar proporções surreais.

    ResponderEliminar
  3. 👏👏👏

    Podia dizer mais, mas acho que a mensagem ficou clara. Excelente partilha!


    A Sofia World

    ResponderEliminar
  4. Que texto tão importante e merecedor de atenção. Vou partilhar nas minhas redes sociais por achar que disseste tudo. Obrigada por isto <3

    ResponderEliminar

Obrigada por estares por cá! Venha daí a tua opinião - o respeito é a única regra da casa! :)