Mulher

Agradeço todos os dias a quem lutou para que eu pudesse ser reconhecida pelo trabalho que faço. A quem lutou para que eu vote. Para que eu use calças. E saias. Para que eu tenha uma voz. Para que eu não seja obrigada a ser "recatada" e "do lar". Para que eu possa escolher se quero ser do trabalho, da família, ou das duas coisas.


Tenho ao meu lado um Homem que não "ajuda": faz a sua parte. Um Homem que nunca teve inseguranças por algo que eu fiz, e que nunca me puxou para trás só para parecer mais forte, melhor. Um Homem que me respeita - sem tretas de eu ser uma princesa, sem floreados ou condescendências. Respeita-me por ser eu. Uma pessoa.

No entanto, reconheço o meu privilégio. 

Só porque eu sinto que tenho voz, não quer dizer que não haja mulheres que se vêm silenciadas somente por serem, precisamente, mulheres. Só porque eu recebo um salário que está em linha com o dos meus colegas, não quer dizer que não haja quem receba menos do que os seus companheiros, homens. Só porque eu ando sozinha, não quer dizer que não me sinta insegura e, ocasionalmente, veja essas inseguranças confirmadas. Só porque eu saio à rua sozinha à noite, não quer dizer que não tenha medo - e o molho de chaves que levo espetado entre os dedos e que já estive quase a usar não me deixa mentir. Só porque eu não sou escrava em casa, não quer dizer que não haja muitas mulheres que continuam a prolongar, promover, e a sofrer esta escravatura socialmente aceite. Só porque eu tenho um Homem ao meu lado, não quer dizer que não haja muita - MUITA - gente que tem autênticos bichos em casa. E bichos na polícia e nos tribunais que defendem os primeiros bichos.

Não, ainda não estamos tod@s no mesmo patamar, por muito que haja quem diga que sim. Neste Dia da Mulher leiam as notícias, leiam as estatísticas, importem-se, façam-se ouvir e respeitar. Hoje e todos os dias. Se eu preferia que não fosse necessário haver um dia dedicado a nós? Preferia. Mas infelizmente é um mal necessário.

Ah. E não me venham dizer que as feministas são todas umas histéricas, camionistas, mal fodidas, porque eu sou menina para vos atirar com um batom à cabeça (e se fossem, atirava na mesma).

Feliz Dia da Mulher?

Em serviços mínimos

Ufa. Ufa ufa ufa. Dias loucos, de loucos, que só um louco aguenta. Ou uma louca, neste caso! Lá ando eu, como vos confessei neste post, a correr a mil, a fazer muito e com pouco - perto de nenhum - tempo livre. Mas, verdade seja dita, faço-o por gosto. E quem corre por gosto, não cansa. Mas precisa de gerir o esforço! E até ao dia 31 deste mês, dia da última exibição de Seis Personagens à Procura de um Autor, a peça que a in skené levará a cena, estarei portanto em serviços mínimos.

Coat - Vintage | Jeans - NetJeans | Boots - Mango | Sweater - Lefties | Earrings - @thrifting_em_portugues
Fotografia - José Santos



Esta segunda-feira foi dia de folga. Precisava de aproveitar esta ponte, deixar a cabeça descansar, para regressar ao trabalho, à in skené, ao blog, com ânimo e motivação. Às vezes é preciso tempo para respirar. E para uma francesinha há muito prometida e que me deixou mutio feliz :p