Mulher

Agradeço todos os dias a quem lutou para que eu pudesse ser reconhecida pelo trabalho que faço. A quem lutou para que eu vote. Para que eu use calças. E saias. Para que eu tenha uma voz. Para que eu não seja obrigada a ser "recatada" e "do lar". Para que eu possa escolher se quero ser do trabalho, da família, ou das duas coisas.


Tenho ao meu lado um Homem que não "ajuda": faz a sua parte. Um Homem que nunca teve inseguranças por algo que eu fiz, e que nunca me puxou para trás só para parecer mais forte, melhor. Um Homem que me respeita - sem tretas de eu ser uma princesa, sem floreados ou condescendências. Respeita-me por ser eu. Uma pessoa.

No entanto, reconheço o meu privilégio. 

Só porque eu sinto que tenho voz, não quer dizer que não haja mulheres que se vêm silenciadas somente por serem, precisamente, mulheres. Só porque eu recebo um salário que está em linha com o dos meus colegas, não quer dizer que não haja quem receba menos do que os seus companheiros, homens. Só porque eu ando sozinha, não quer dizer que não me sinta insegura e, ocasionalmente, veja essas inseguranças confirmadas. Só porque eu saio à rua sozinha à noite, não quer dizer que não tenha medo - e o molho de chaves que levo espetado entre os dedos e que já estive quase a usar não me deixa mentir. Só porque eu não sou escrava em casa, não quer dizer que não haja muitas mulheres que continuam a prolongar, promover, e a sofrer esta escravatura socialmente aceite. Só porque eu tenho um Homem ao meu lado, não quer dizer que não haja muita - MUITA - gente que tem autênticos bichos em casa. E bichos na polícia e nos tribunais que defendem os primeiros bichos.

Não, ainda não estamos tod@s no mesmo patamar, por muito que haja quem diga que sim. Neste Dia da Mulher leiam as notícias, leiam as estatísticas, importem-se, façam-se ouvir e respeitar. Hoje e todos os dias. Se eu preferia que não fosse necessário haver um dia dedicado a nós? Preferia. Mas infelizmente é um mal necessário.

Ah. E não me venham dizer que as feministas são todas umas histéricas, camionistas, mal fodidas, porque eu sou menina para vos atirar com um batom à cabeça (e se fossem, atirava na mesma).

Feliz Dia da Mulher?

Em serviços mínimos

Ufa. Ufa ufa ufa. Dias loucos, de loucos, que só um louco aguenta. Ou uma louca, neste caso! Lá ando eu, como vos confessei neste post, a correr a mil, a fazer muito e com pouco - perto de nenhum - tempo livre. Mas, verdade seja dita, faço-o por gosto. E quem corre por gosto, não cansa. Mas precisa de gerir o esforço! E até ao dia 31 deste mês, dia da última exibição de Seis Personagens à Procura de um Autor, a peça que a in skené levará a cena, estarei portanto em serviços mínimos.

Coat - Vintage | Jeans - NetJeans | Boots - Mango | Sweater - Lefties | Earrings - @thrifting_em_portugues
Fotografia - José Santos



Esta segunda-feira foi dia de folga. Precisava de aproveitar esta ponte, deixar a cabeça descansar, para regressar ao trabalho, à in skené, ao blog, com ânimo e motivação. Às vezes é preciso tempo para respirar. E para uma francesinha há muito prometida e que me deixou mutio feliz :p

Retratografia | Recreate

Regressa o Retratografia: este mês, o desafio era recrear um (ou mais!) retratos, sem limitações de autor, tema ou época. Tentei fugir um pouco da minha zona de conforto e explorar a modelação de luz e retratos que não fossem para mim "escolhas imediatas" mas que, ainda assim, me deixassem com vontade de os recriar.

Pedi, por isso, à minha Mi e ao Zé que fossem os meus modelos. Um feminino e um masculino. Um quadro e uma fotografia. E depois juntei-me à mistura, com uma ode à rainha dos auto-retratos (com uma foto que nunca foi um auto-retrato).

Girl with a Pearl Earing 


A Rapariga com o Brinco de Pérola tem em mim o mesmo efeito que se diz ter a Mona Lisa - quero descobrir quem ela é e o que lhe passa pela cabeça. Este quadro de Johannes Vermeer joga com a luz e a sombra de um modo muito interessante e que me levou imediatamente a querer usar as nossas luzes do palco de ensaios para criar este efeito, pelo seu carácter dramático e forte. Já a Mi foi a modelo perfeita - obrigada por te emprestares a esta miúda misteriosa! Entretanto, sugiro também que espreitem esta fotografia que me apareceu nas pesquisas - um resultado lindíssimo de um jogo de recriação semelhante.


Auto-retrato: Vaidade ou Expressão?

A questão, para mim, está no "porquê" destas imagens - e até que ponto esta questão importa realmente.

Há uns dias discutíamos num ensaio alguns fotógrafos mestres na arte do auto-retrato - ao ponto de alguns deles trabalharem exclusivamente com este tipo de fotografia. E alguém soltou, em tom de brincadeira, um "esta é um bocadinho narcisista!". Mas esta brincadeira deixou-me a pensar: porque é que fazemos estas fotografias? E, numa onda mais relaxada, porque é que tiramos selfies? E no que é que são diferentes?

Selfies vs Auto-retrato?

Tod@s conhecemos alguém que vive para tirar selfies e que as publica todos os dias nas redes sociais. E tod@s conhecemos alguém que nunca as tira e até abdica de bom grado entrar nas de grupo. Na prática, considero que são uma forma quase fast-food de auto-retrato, uma expressão de quem somos e de como nos sentimos num dado momento, no imediato. E isto diz muito sobre a nossa auto-estima: para o bem e para o mal. Há já psicólogos que afirmam que as selfies são responsáveis pelo agravamento de dismorfias corporais e estados obcessivo-compulsivos relacionados com a imagem, que muitas vezes levam a que julguemos real o que vemos nos ecrãs - nunca se esqueçam que as lentes das câmaras causam distorção da imagem! Mas não entremos em detalhes sobre redes sociais porque isso daria toda uma nova discussão. A minha questão é: qual a diferença entre uma selfie e um auto-retrato?

I've got racing stripes

Sabem aquelas pessoas irritantes que têm sempre alguma coisa para fazer e, se não têm, encontram uma forma de passar a ter? Prazer, eu sou a Joana e sofro desse mal.

Trousers - Bershka | Parka - Zara | Sweater - Mango | Shoes - Lefties
Fotografia - José Santos


Um dia bom para mim é um dia em que fiz imensa coisa, mas sem grande correria para fazer tudo. No entanto, por vezes o "querer fazer tudo" causa uma de duas situações - normalmente, as duas: chegar sempre atrasada e andar num stress desmedido porque já é tarde e já devia ter saído/começado/acabado/etc.. No entanto, não sei viver de outra forma. E nisto lembrei-me deste post dos Palavra-Padrão lá no Instagram.