Photo | A Beautiful Week | Novembro

Back in business num saltinho rápido para cumprir o que nunca ficou em pausa: o  A Beautiful Week - o desafio mensal com base no curso Capture Real Life in 52 Weeks do blog A Beautiful Mess. Parece impressionante como o tempo voa - quando nos metemos nisto parecia que não teria fim e agora já só falta um mês...e se se revelar tão cheio como o resto do ano, vai passar a correr de novo! Confesso que este mês pouco fotografei, por isso mesmo: o tempo pareceu voar, ando com alguns projectos paralelos (alguns deles relacionados com fotografia também), e no meio disto tudo, lá se foi o foco neste desafio. Mas, ainda assim, com uma pequena batota e uma avalanche de fotos da Suíça, cá ficam os clicks deste mês!

Week Fourty-Five - Balance

Felizmente para mim, o centro da imagem como ponto principal da foto e a simetria são velhos amigos meus. Sempre gostei deste estilo de imagem - sim, com o devido risco de que a mesma fique estática ou, em casos graves, aborrecida. Há que procurar o nosso objectivo com ela.



Photo | A Beautiful Week | Outubro

Uma pequena pausa-na-pausa para trazer algo que todos os meses me motiva a criar: o nosso A Beautiful Week! O desafio mensal com base no curso Capture Real Life in 52 Weeks do blog A Beautiful Mess que, para este mês, confesso, não li - fiquei-me pelos temas, espero não ter falhado por muito! A verdade é que sabia o que tinha que capturar mas não fotografei com esse propósito. Se me seguem pelo Instagram devem ter reparado que andei por terras helvéticas então seria impossível não ter voltado cheia de fotografias.

Week Forty - Zero Waste



No mês em que descobrimos que podemos ter apenas 12 anos para corrigir o mal que fazemos à nossa Casa, e no mês em que consegui ver ao longe os Alpes, que em 12 anos perderam 25% da sua área, não podia deixar de abraçar o desafio de tentar perceber como posso reduzir o impacto da minha passagem pela Terra. E se já há coisas em que sei que estou no bom caminho (algumas referi neste post, mas desde então já melhorei em muitas outras, felizmente!), outras há em que tenho muito a fazer: mover-me de forma mais sustentável; consumir menos carne; avaliar a origem e a pegada ecológica dos produtos que compro; distinguir entre um simples desejo de consumo e uma necessidade. A verdade é que ver a próxima geração a crescer e saber que estou a estragar a sua casa faz-me sentir culpada. E bom, se essa culpa me fizer ter mais cuidado, venha ela então.

Personal | Bloqueios

Fases. Acho que tod@s já passamos pelo "porque é que faço isto?" - sendo "isto" escrever, fotografar, representar, ou qualquer outra coisa que requer a nossa criatividade e tempo livre -. Tenho feito esta pergunta a mim mesma muitas vezes, e é fácil perceber que este estaminé tem andado mais parado do que é habitual. Encontro de imediato uma resposta na alegria que tenho ao capturar uma imagem de um momento genuíno, ao discutir algum assunto convosco lá em baixo nos comentários, ao sentir a alegria de pisar o palco e brincar ao faz de conta. Mas nem sempre é fácil motivar-me quando tudo parece abrandar e arrefecer - o esforço para recuperar o ritmo tem que ser posto em prática, e nem sempre temos o mindset correcto para dar o próximo passo. Nem sempre a nossa percepção do que fazemos está alinhada com a percepção dos outros e isso deixa-me a perguntar "para quê?" e "será que eu sei o que estou a fazer?"...


Não tenho dicas ou soluções milagrosas. Às vezes o melhor é mesmo reconhecer este estado de espírito e bom, analisar prioridades. Se preciso de tempo para a actividade x e isso implica aliviar a actividade y, assim seja. Se tenho a cabeça noutro sítio e não consigo focar-me a 100%, posso tentar trabalhar com os 75% que ela me dá e ver o que sai daí - se for bom, provavelmente consigo motivar-me; se não, guardo para outra altura.
Já falei sobre como alimentar a criatividade neste post e talvez esteja na altura de lhe dar também um pouco de atenção. O que sei é que não posso - nem quero - largar o osso. As nossas paixões são o que alimenta os nossos momentos felizes, desde que venham com equilíbrio à mistura, e deixar isso desvanecer seria negar uma parte de nós.

Outfit | Happy Wedding

Perdoem-me a ausência: Setembro foi um mês cheio de surpresas e momentos bons, e prevê-se que Outubro vá pelo mesmo caminho. Mas se estiver sempre ocupada por bons motivos, tudo bem! Um dos eventos que tem marcado este meu ano são...casamentos! E eu, que dizia não ser moça de casamentos, dou por mim a ficar toda feliz por me poder emperiquitar e ter uma desculpa para estar com as minhas pessoas a celebrar o melhor do mundo: o Amor.


Jumpsuit - c/o Zaful | Shoes & Blazer - Stradivarius | Bag - c/o Rosegal | Necklaces - Claire's & Lefties
Fotografia de José Santos

A verdade é que gosto de fugir aos clichés (nomeadamente no que diz respeito ao meu estilo, mas sem obcessões), mas há coisas em que sou toda a favor dos mesmos. Casamento é com tudo a que tem direito, seja numa festa com 300 pessoas ou só com 30 bem escolhidas: boa comida, boa companhia, boa música, muitas fotos e momentos que nos fazem ficar de lágrima no canto do olho. E uma máscara de pestanas à prova de água para aguentar tudo isso, claro!

Photo | A Beautiful Week | Setembro

Sem me dar conta, Setembro veio e foi-se num piscar de olhos. Chegando ao fim do mês a pensar que me tinha esquecido de me focar no nosso A Beautiful Week - nosso desafio mensal com base no curso Capture Real Life in 52 Weeks do blog A Beautiful Mess - apercebi-me que a vida encarregou-se de me dar um mês cheio de fotografias que poderiam bem encaixar em cada um dos temas. Assim sendo, cá vamos nós!

Week Thirty-Six - Free Style

Aproveitei a oportunidade de termos um tema livre para testar estes novos anéis adaptadores de macro que encomendei da Banggood que têm ligação electrónica entre a objectiva e a câmara - e se não posso dizer que sejam espectaculares e super diferentes dos que já vos falei neste post, porque para quem fotografa sem flash e em modo manual o auto-foco não faz muita diferença quando estamos a 1cm do objectoa fotografar, reconheço que serão muito úteis a quem usar flash ou os modos automáticos, porque permite à câmara ler a luz e fazer os ajustes necessários.



Photo | Porquê e como limpar a câmara

Culpada. Venho cá falar-vos disto porque tenho perfeita consciência de que não sou a única a desleixar-se com o seu equipamento. Desde que se infiltra em todas as ranhuras, provocando desgaste físico ou curto-circuitos; a partículas que entram sabe-se lá como e que ficam como OVNIs a boiar nas nossas fotos; ou a pêlos que tentamos limpar da objectiva com a camisola, acabando por fazer um belo de um arranhão na lente; ou mesmo uma bela de uma colónia de fungos que achou que os vidrinhos da objectiva eram a sua mansão de sonho: há de tudo. Se queremos melhorar as nossas imagens e garantir a máxima longevidade do material que utilizamos, temos que ter cuidado - sim, mesmo tu que nem usas tanto assim a máquina fotgráfica. Aliás, principalmente tu que nem a usas tanto assim!

Camera Cleaning kit - c/o Banggood
Recentemente, aproveitei uma parceria com a
Banggood para - finalmente - encomendar um kit de limpeza para DSLR que traz um bufador, um pano de microfibra, um pincel, uma caneta de limpeza e um protector do apoio de flash. Nada de muito fancy, mas que sem dúvida precisava. Por isso, mostro-vos de seguida o que faço para limpar o meu material fotográfico. Se precisarem de um, podem encomendar com 10% de desconto a partir da App da Banggood.


1. Não deixar o pó acumular

Foste para a praia e levaste a câmara? Estiveste num sítio com muito pó? A tua câmara apanhou umas gotinhas de chuva? Então, antes de a guardar, dá-lhe um pouco de TLC: com um pincel retira o pó que tenha ficado "pousado" nela, e passa um pano de microfibra para retirar possíveis resíduos mais teimosos. Assim evita-se que o pó se acumule e eventualmente prejudique o funcionamento dos circuitos electrónicos do equipamento - e não esquecer o viewfinder!


2. Arejar o material

Uma das maiores causas de perda de nitidez e contraste das objectivas são os fungos. Tenho pena de não ter tirado fotos na altura, mas a minha 70-300 já teve uma infestação que quase dava para fazer um risotto de cogumelos. E garanto-vos que limpá-la profissionalmente não foi nada barato. Há uma forma fácil e eficaz de evitar que estas situações aconteçam: arejem as objectivas e exponham-nas à luz solar com alguma frequência - sem tampas, dêem-lhes luz. Mais à frente vemos como limpar o pó. Os fungos adoram espaços fechados e escuros, por isso se têm alguma objectiva que não costumam usar (como foi o meu caso), ela será a casa perfeita. Deixo-vos uma imagem parecida com o estado da minha lente quando a mandei limpar:

Imagem daqui

Personal | Desafio 1 + 3 | Medo

Esta semana, no início do novo ano de formação da in skené, e enquanto nos apresentávamos, foi-me perguntado qual é o meu maior medo. E, para dizer a verdade, fiquei sem saber o que dizer (daí este post estar pendurado há imenso tempo!). Facilmente poderia dizer que é a morte dos meus mais queridos, mas não querendo ir por um caminho tão negro, tentei aligeirar a coisa. O escuro? Provavelmente pode estar na lista - sim, eu, mulher feita com quase 27 anos, poderia dizer que, mesmo sendo uma criatura nocturna, tenho um certo medo do escuro. Mas, assim sendo, o meu problema não pode ser o escuro em si...e aí, percebi: tenho medo do desconhecido.

Outfit + Fórum de Ideias | Não somos só isto

Eu gosto de roupa, mas não vivo a minha vida em função dela. Eu gosto de criar conjuntos novos, mas não compro roupa com frequência. Eu gosto de saber o que está na moda, mas não adiro a todas as tendências, nem vou comprar algo de que não gosto só "para ver se consigo usar" porque "está na moda". Eu vejo o estilo como uma forma de expressão pessoal, mas não acho que toda a gente tem que andar bem vestida (segundo os meus padrões) ou então é um - inserir insulto aleatório -. Eu gosto de maquilhagem, mas não preciso da maquilhagem para sair de casa, nem acho que sou feia sem ela, nem acho que quem não usa é menos mulher que eu. Eu gosto de blogs de moda, mas não leio só blogs de moda (e provavelmente até leio muito mais coisas de outras áreas, mas não estou propriamente atenta a isso). E olhem, se alguém for assim, que viva a sua vida porque, desde que não faça mal ninguém, está no seu pleno direito.

T-shirt & Dress - Thrifted | Bag - Parfois | Shoes - Jumbo
Fotografia de José Santos

Julgamentos. É impossível não os ver - ou porque estamos muito arranjadas e somos umas fúteis, ou porque nos arranjamos pouco e somos umas desleixadas, ou porque gostamos de moda e somos ocas, ou porque gostamos de alimentar o cérebro e somos umas cromas chatas. Chega. Somos mais do que um dos nossos gostos. E atenção, eu não sou melhor do que ninguém - eu também os faço. Mas temos que pôr a mão na consciência e assumir os erros - na onda do que vos falei neste post.

Foodie | Cone and Cherry

Tive o prazer de conhecer o Cone and Cherry pouco tempo depois da sua abertura - e que bela surpresa que foi! Num Gold Meetup da Zomato, numa manhã de sábado solarenga, encontramo-nos para conhecer o menu deste novo espaço do Porto - que tem Zomato Gold, por isso se quiserem conhecê-lo têm direito a um prato à borla - basta aderir e têm 25% de desconto com o código JOANAI.



O Cone and Cherry promete ser um espaço com um conceito abrangente: procura apresentar opções leves, divertidas, quase infinitas e, se quiserem, saudáveis para qualquer refeição - pequeno-almoço, almoço, lanche ou jantar. Basta espreitarem a carta para perceberem do que falo: ele é bolos, gelados, croissants, waffles, crepes, bowls, panquecas, saladas, doces ou salgados, têm de tudo.

Nesta nossa degustação que quase parecia infinita, começamos pelos "típicos": croissants caseiros, super leves e fofos, crepes, bowls e panquecas. Devo dizer que, embora tenha gostado imenso da frescura e do sabor de tudo, as bowls e as panquecas com requeijão e mel levaram a taça - as primeiras pela frescura dos ingredientes e as segundas por serem fofas e leves - nada massudas ou pesadas.





Fórum de Ideias + Personal | Qual é o meu nicho?

Ver este tweet da Sofia e ler as publicações que foram aparecendo por volta do Dia do Blog (como a do Joan of July, do infinito mais um ou do The Paper and Ink), acendeu ainda mais a dúvida que me vem a assomar à cabeça nos últimos meses - tanto que tinha o título desta publicação em rascunho há tempos infinitos. Afinal de contas, quem está desse lado, quem me lê, qual é o meu nicho?

Bikini - c/o Rosegal
Gosto de ver o Jiji como um espaço que é um reflexo de mim e, por isso, será necessariamente tão diverso quanto me apetecer. Mas é também o vosso espaço e, por isso, num acesso de - falta de - inspiração e de dúvidas existenciais questiono-me sobre o caminho a tomar. Focar-me mais em duas ou três áreas e criar o famoso nicho - receita para o sucesso, dizem - ou seguir caminho e continuar a surfar a onda do que me vai despertando o interesse?

Photo | A Beautiful Week | Agosto

Agosto foi estranho - uma mistura de descanso e correria que acabou por fazer com que deixasse os temas deste mês do A Beautiful Week quase todos para a última hora. Ainda assim, acho que consegui alguns clicks interessantes - e explorei algumas questões que podem ser úteis a quem gostar deste mundo (para além de me parecer que este foi o mês dos auto-retratos)! Por isso, sejam bem vind@s a mais um mês do nosso desafio mensal com base no curso Capture Real Life in 52 Weeks do blog A Beautiful Mess.

Week Thirty-two - Studio



Para termos um desafio técnico aqui pelo meio, começamos com uma tentativa de dominar e criar a nossa própria imagem. Optei por duas abordagens diferentes: na primeira, utilizei a luz natural a meu favor - procurei nos cantos e recantos de minha casa e, depois de fechar uma porta que está sempre aberta, descobri um difusor natural e um mood de que gostei muito. Para a segunda imagem, segui este artigo da Digital Photography School (que, se não conhecem, deviam explorar!) e brinquei com os diferentes tipos de iluminação clássica de retratos.


Fórum de Ideias + Personal | Not like other girls?

Culpada. A história que a JoutJout conta no vídeo que vos mostro a seguir podia ser a minha. Talvez não tão "exagerada", porque nunca rejeitei o meu lado feminino, nunca me virei para as "coisas de rapazes" por vingança, mesmo sendo a miúda-croma-que-ninguém-vê, mas sem dúvida que era daquelas adolescentes que, para além das suas duas amigas de confiança (e que o são até hoje) achava mais fixe dar-se com os rapazes. Que dizia que as raparigas são todas umas complicadas. Que dizia que as raparigas não são de confiança. Que dizia que não era como as outras raparigas.


A verdade é que fui pondo a mão na consciência e hoje digo: sim, sou como as outras mulheres. Ou como nenhuma. Somos seres humanos, não somos peças feitas em moldes com características x e y.

Personal | Como fingir que estás de férias

Não devo estar sozinha no "drama" que a seguir vos apresento. Este ano as minhas férias estão divididas de uma forma estranha, gastas em viagens (o que é bom!), mas isto faz com que eu não tenha grandes férias de Verão. Ora, eu adoro viajar, mas também gosto de ser um pastelinho rodeado de livros na praia. Então, como tentar recuperar essa sensação, mesmo sem estar de papo para o ar o dia todo? Ontem prometi-vos lá pelo meu Instagram, e hoje cumpro. Porque ainda há muito Verão pela frente, vale a pena tentar!

Biquini - c/o Rosegal

Larga o telemóvel

* Ganhas imenso tempo livre extra *

Really? Reeeeeally. Perdemos muito, muito tempo nisto. Eu, que não me considero uma "viciada", dou por mim a perder imenso tempo quando era só "ver as notificações num instante". Scroll, stories, só mais uma ou duas fotos no Instagram. As redes sociais são giras, mas a melhor coisa que tenho feito é abandonar propositadamente o telemóvel no quarto, por muito forte que seja a tentação do scroll. Tenho lido muito mais, aproveitado para pôr as tarefas em dia, acabado as séries penduradas, e dado por mim a sentir-me muito melhor por aproveitar o meu tempo. A propósito disto, vejam este vídeo da Sorelle (mesmo a jeito!) e comprovem que não é só teoria minha.


Aproveita bem as horas de trabalho

* Maior produtividade vai permitir que saias a horas *

Uma das razões porque tendemos a acumular trabalho, obrigando-nos a sair mais tarde, é por não sermos tão produtivos quando devíamos durante as horas em que devíamos estar efectivamente a trabalhar. É quase um mal nacional, e sei perfeitamente que em algumas empresas quase acaba por parecer mal se sairmos a horas. Mas se olharmos para países tido como altamente eficientes e produtivos, a verdade é que a prática comum é sair a horas e aproveitar o tempo livre, e se for necessário ficar a trabalhar até mais tarde com frequência é sinal de que o trabalho não está a ser bem feito - vejam as práticas comuns na Alemanha e na Dinamarca, por exemplo. Bem sei que em alguns casos há mesmo trabalho a mais acumulado numa só pessoa e que isto quase só se aplica a quem tem horários fixos. Mas se puderem, força, fé e foco, e toca a sair a horas decentes. Os fins de tarde têm muito para dar, e a vida não pode ser só trabalho!

Photo | O que está errado nestas fotos?

A ideia ressurgiu depois de ver este vídeo aqui. A Sorelle Amore tem sido uma inspiração brutal no meu dia-a-dia - e se não a conhecem, deviam, principalmente se gostam de fotografia e de conteúdo bom e belíssimo! - e relembrou-me deste post de 2016 em que resolvi ir vasculhar a minha galeria no Olhares. E lá no fim do post disse: "Talvez daqui a 10 anos venha ler este post e pense "que raio, Joana, tu em 2016 ainda não fotografavas nada de jeito!""...ainda não passaram 10 anos, mas eu não tenho a pretensão de adivinhar o futuro e sei lá se em 2026 ainda há Jiji, por isso vamos já fazer um check up à situação, mas com olho crítico! Venham daí essas fotos de 2016.

Este foi o ano do 6 on 6 - lembram-se? - por isso foi o ano em que me atirei à fotografia com um fulgor renovado. Por isso, muitas das fotos aqui presentes virão desse contexto - já que era o meu outlet criativo, será também o meu principal objecto de análise.








Composição? Motivo?

Um dos meus sonhos fotográficos é chegar a um ponto em que todas as minhas fotos contem uma história. E para que isso aconteça, há pelo menos dois pontos essenciais: a composição tem que guiar o olhar para onde eu quero, e o motivo tem que ser claro e com conteúdo. Nas fotos acima, consigo encontrar erros neste aspecto - o sol cortado, parecendo um mau crop; objectos à frente de quem eu queria fotografar, e não de uma forma bonita; uma facada numa boneca, que claramente não é a história que quero contar numa festa infantil (lol); fotos que visualmente até são bonitas, mas não dizem muito - a quarta foto tem o bónus da luz bonita, mas devia ter criado algum ponto de interesse.

Personal | Desafio 1 + 3 | Uma Regra: Escolher as minhas Batalhas

Tenho o sangue na guelra. O pavio curto. Fervo em pouca água. Faço tempestades em copos de água. Sofro por antecipação. Parto a louça toda. Ou talvez não. Hoje, dentro do Desafio 1+3 da Carolina, falo-vos de uma regra. Uma regra que tenho vindo a tentar implementar em várias áreas da minha vida - em algumas, com mais sucesso, noutras com menos. Escolher as minhas batalhas.


À medida que cresço - ou será que já devia dizer "envelheço"? - tento que sejam cada vez menos as coisas que me fazem ferver. Não tenho energia para tudo, e comecei a aplicar este filtro numa altura em que me vi a ir abaixo por me importar demaisiado com demasiadas coisas. Quando me convenci de que não podia ser assim, que nem todas as batalhas são minhas, e que, mesmo as que são, eu não tenho que ganhar todas, consegui estabilizar. Não vos dou nenhuma receita milagrosa nem vos digo que a serenidade vem de usar hashtags bonitas (e eu sei lá o que é a serenidade, a minha versão "calma" continua a ser acelerada!), mas se toda a onda de positivismo servir para alguma coisa, que seja para nos ensinar a escolher as nossas batalhas, as nossas prioridades.

Photo | A Beautiful Week | Julho

Juro que pensei que ia precisar de um milagre para conseguir trazer-vos esta edição do A Beautiful Week - mas afinal não! Apesar de ter passado o mês a correr e de nem ter dado conta disso, acabei por registar muitos e bons momentos. Aviso desde já que a técnica ficou para trás e dediquei-me mais às histórias (o que, confesso, nem me faz tanta confusão assim, embora eu saiba que sem contexto elas são difíceis de entender). Aqui fica o resultado de Julho do nosso desafio mensal com base no curso Capture Real Life in 52 Weeks do blog A Beautiful Mess.

Week Twenty-Seven - Smiles

Um tema proposto dentro do grupo e para o qual eu sabia que não seria difícil ter fotos das quais gostasse - ou não fossem os sorrisos genuínos uma das minhas coisas preferidas de capturar. Com uma pequena batota, ficam os momentos passados em família, o Zé a aturar-me tentando que ele posasse para a fotografia, e um extra, com a sua genuína felicidade a olhar para uma das suas coisas preferidas no mundo (nope, não me estou a referir a mim!).





Week Twenty-Eight - Pets

Este mês é totalmente dedicado ao Bao e à sua natureza curiosa, mimalha, e muito - muito! - ...como explicar... chata? Mas é um fofo!



Enjoy | Movie 36 | Animação!

Movie 36 de Julho vem cheio de animação - literalmente, porque este mês só deu bonecada! E, para mim que tenho a mania que só gosto de filmes sérios, devo admitir: foi um mês de bons filmes!


A verdade é que acabei por me esquecer, à medida que fui crescendo, da capacidade que estes filmes têm para nos fazer sonhar e da forma simples e eficaz como conseguem passar mensagens preciosas. O que é certo é que fico mais feliz de cada vez que me deixo envolver neste mundo que me faz ser miúda, deixar a imaginação voar e entrar no enredo que nos agarra e entretém ao mesmo tempo. Nem todos são obras de arte, mas a maioria tem uma boa história para contar. E, adianto já, este mês escolhi dos bons!


Outfit | É uma questão de estilo

Dias há em que quero ser uma princesinha e ser bonitinha e delicada. Dias há em que quero ser cool, urbana e chic. Dias há em que quero ser provocadora, à minha maneira. Dias há em que quero inventar e sentir-me bem, mesmo que não esteja a ser "bonita". O que é isso de ser ou estar bonita?

Jacket - c/o Zaful | Shirt - Vintage | Trousers - Stradivarius | Sneakers - Lefties | Earings - H&M
Fotografias da minha Mãezinha


Isto do estilo é um espelho do nosso sentido estético. E se ele nos arrasta para lugares cheios de cor, que assim seja. Ou se formos para o minimalismo das formas, siga. Bonito não é necessariamente igual para tod@s. Bonito não é necessariamente feminino e revelador. Nem é necessariamente conformista, nem é necessariamente revolucionário também.