Jiji à Suisse: Nunca as paisagens foram tão belas

É certo que já lá vai um ano e meio desde que estivemos na Suiça. Ao mesmo tempo, parece que foi há tão pouco tempo e há uma vida inteira. I digress. O que quero dizer é que foi provavelmente das viagens mais bonitas que fiz até hoje e, uma vez que fomos sem grandes planos porque tínhamos família lá e, assim sendo, teríamos "guia", isso contribuiu para que cada descoberta fosse uma surpresa maior do que a anterior.

Dent de Jaman





Adoro a natureza, mas normalmente sou mais de pessoas, de cidades. Consigo ficar horas a caminhar no meio do nada, mas por norma não penso muito, deixo-me apenas aproveitar a tranquilidade, nem deixo o meu fôlego desaparecer com facilidade graças ao que vejo. Pois bem, a Suíça fez-me contrariar todos os meus instintos. Cada passeio de carro obrigava-me a estar colada à janela a absorver cada detalhe, cada caminhada demorava o dobro do tempo porque eu estava sempre a parar num misto de vontade de absorver tudo e de guardar o que via nas fotografias - que, aviso já, não fazem jus à beleza real que estava perante os nossos olhos.









Fomos no pico do Outono e tivemos direito a tudo. Campos verdejantes, bosques com ar de palco de histórias de encantar, os Alpes lá ao fundo, e, para fechar com chave de ouro, um nevão como despedida deste país que nos mostrou que respirar fundo é possível e que a qualidade de vida às vezes não está onde nós a procuramos, mas sim naquilo que o mundo já tem para nos oferecer. Só temos que aproveitar.


Mont Racine












Deixo as zonas urbanas para um outro post - que não deixam a magia para trás e me convenceram ainda mais de que a nossa Europa tem muita história que tenho que ver com os meus olhos.


Jardin Botanique de Neuchâtel




Etang de La Gruère



Vemo-nos no próximo passeio!


4 comentários :

Obrigada por estares por cá! Venha daí a tua opinião - o respeito é a única regra da casa! :)