Photo + Personal | O meu primeiro Casamento e os passos seguintes

Há um ano atrás fiz o meu primeiro trabalho como fotógrafa, graças à Joana e ao Mário que colocaram uma parte das memórias de um dos dias mais mais importantes das suas vidas nas minhas mãos com uma confiança que eu, confesso, não conseguia ter quando via o dia aproximar-se, mas que lhes agradeço de cada vez que penso nisto. Há um ano atrás eu estava uma pilha de nervos, que não pararam de crescer a partir do momento em que aceitei o convite de um amigo que iria fazer o vídeo do casamento deles. A única certeza: daria o melhor que podia! E, como sou feita de dúvidas, deixei duas perguntas para vocês no fim do post - dão-me uma ajuda? :)





Sei que era muito mais profissional e "parecia bem" dizer que sabia que estava preparada, que sabia que nada ia falhar, que faria tudo exactamente igual se fosse hoje. Mas isso seria assumir que há um ano sabia tudo o que precisava, ou que hoje sei tudo. Pois bem, não poderia estar mais longe da verdade e, à laia de honestidade, devo dizer que até hoje o síndrome de impostor me assola, sem saber muito bem como é que dei conta do recado. Mas a verdade é que até dei e posso até dizer que estou contente com o que daqui saiu.







Tivemos direito a tudo: falhas de muitos tipos que, felizmente, sabíamos que podiam acontecer e para as quais nos prevenimos, chuva, sol, luz a mudar, vento, mas também uma família maravilhosa que me acolheu como se fosse da casa e que se riu connosco de cada problema, enquanto o resolvíamos - o que ajudou tanto, mas tanto!, a que me sentisse à vontade e mais confiante.







Só posso agradecer: à Joana e ao Mário, por serem tão simpáticos, divertidos e boa onda, por me terem dito o que queriam, por me terem acolhido sem duvidar de mim, por acreditarem que eu conseguiria dar vida às memórias deles; ao Ricardo, por me ter convidado para esta aventura que tanto me trouxe - e tanto me fez sonhar!; à Beatriz por ter sido a nossa mãe emprestada durante o casamento e ter feito questão de cuidar de nós enquanto nos esquecíamos que comer é capaz de ser importante quando andamos o dia inteiro com o equipamento às costas; aos pais da Joana por me terem recebido tão bem na sua casa e terem sido tão doces comigo. A verdade é que percebi que isto da fotografia tem muito que se lhe diga não só pelas memórias que captamos, mas também pelas pessoas que traz à nossa vida e pela ligação tão especial que se cria. E eu não poderia ter pedido um grupo melhor para começar!






Entretanto já fiz mais alguns trabalhos, já tive mais alguns desafios. A verdade é que gostava de levar isto mais a sério e, quem sabe, fazer disto um segundo trabalho, mas...o maldito síndrome de impostor impede-me até de tentar e, sei lá, fazer um site. Isso e o medo de que, se for um flop, eu veja toda a confiança que tenho nas minhas capacidades e a minha auto-estima a ir por água abaixo - e eu, que bem me conheço, sei que isso é muito provável.

Assim sendo, dou o corpo às balas: 

1. Digam-me, acham que devia arriscar, mesmo ainda não tendo feito uma formação profissional na área? Sejam honest@s: quero opiniões por não saber o que fazer, mas tenho carapaça suficiente para ouvir umas verdades! 

2. Faziam uma sessão comigo? Aviso: a resposta a esta pergunta pode ou não ter consequências :p 

Obrigada desde já pelas vossas respostas honestas. 
E obrigada mais uma vez a este casalinho doce e aventureiro que me deixou concretizar um sonho enquanto concretizavam o deles. <3


24 comentários :

  1. Ora cá vai a minha opinião para as tuas perguntas:

    1- But of cooooourse! A formação pode ajudar muito, mas não é tudo. Seja qual for a área. Pode dar-te mais ferramentas mas não constrói tudo aquilo que nós somos, enquanto profissionais. Há quem seja óptimo auto-didacta, com intuição para as coisas, com jeito... O típico exemplo de quem não tem "curso", mas chega lá. E não são menos por isso! Acho que é o teu caso, na fotografia. E uma paixão que exploraste durante imenso tempo e tornaste-te boa nisso. E se quiseres tornar isso numa actividade profissional, acho que não deves ter medo! <3

    2- Já fiz antes. Fiz hoje até! A espero poder continuar a fazer! Eheh :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha Cat, minha cobaia :D obrigada <3 sim, eu partilho da mesma opinião, mas lá está, parece sempre que o bicho da dúvida me impede de me mexer...obrigada por te confiares à minha objectiva! <3 LY!

      Eliminar
  2. Adorei! As fotos ficaram lindas, acho que tens imenso jeito, por isso respondendo à primeira pergunta sim! Se investires em formação é um plus. Respondendo à segunda adorava, a tua edição ficou só um amor e esse casal teve muita sorte em ter-te <3
    kiss^^

    Patsilvarte : blog | youtube

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Patrícia, fico mesmo feliz por saber que pensas assim! ^^

      Eliminar
  3. Adorei a tua honestidade e partilha neste post, mesmo. �� Eu sei bem o que é o síndrome de impostor, fiz muito trabalho como freelancer antes de tirar o curso no ipf, e não conseguia desligar-me do sentimento que estava a apoderar-me de um lugar numa área que pertencia aos que investiram tudo nela. Em parte, hoje sei que foi um dos motivos que me fez desistir do meu curso escolhido na faculdade e optar por fotografia, for good. Sou suspeita porque admito que hoje em dia já valorizo um bocadinho mais a formação e a especialização fotografica, numa actualidade em que parece tudo andar a volta do mesmo, dos mesmos presets, da mesma gama de cores, da mesma identidade, e sei que graças a um estudo mais aprofundado e técnico da fotografia consegui sair da caixinha "Instagramica" e viver a arte da fotografia uma forma diferente, mais íntima, mais minha, descobri coisas e métodos de fazer as coisas que tornou a fotografia mais libertadora também. Descobri que o meu síndrome de impostor desapareceu quando senti que dei tudo de mim para aquilo, e principalmente quando dei tudo mim para estar presente em cada trabalho que entrego, na sua construção, produção e pós produção que hoje em dia tanto se valoriza, à parte do acto de fotografar. Descobri o valor e prazer de construir uma imagem de forma cuidada, sem disparar a toa, porque dá e para corrigir depois, o que me trouxe um novo é muito mais forte sentimento de realização pessoal.
    Gosto de pensar que o ofício da fotografia é como subir uma montanha, a vista pode ser boa, mas nunca saberemos realmente até lá chegar portanto é continuar a caminhar, a subir apesar de tudo e investir em nós e na nossa visao, para mais tarde sabermos se a vista da montanha realmente compensou, aos nossos olhos, nunca nos dos outros - nem poderia ser de outra forma, que olhos, ainda mais nos tempos que correm, há muitos, e seria fácil perder-mo-nos em vistas que no final, não valeriam assim tanto a pena. ���� E se queres mesmo saber, sim, deixava-me fotografar por ti! - eu, meia-leca cabeludo, que sou uma aversão com pernas no que toca a posar em frente de cameras alheias!
    Abracinho forte!

    (Voltei a casa esta semana e tenho um embrulho para ti, Joana, ainda!!! Ai, que mereço um tabefe)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mafalda <3 muito, muito obrigada pelas tuas palavras. Entendo bem o que queres dizer - quanto mais ferramentas temos e quanto melhor soubermos as "regras", melhor saberemos como quebrá-las de forma que faça sentido na cabeça. A verdade é que apostar nisto poderia um dia obrigar-me a mudar de rumo e, caramba, eu sou avessa - ou medricas! - no que toca a mudanças quando estou confortável. No entanto, gostava mesmo de aprofundar a minha formação precisamente para me sentir com propriedade sobre o assunto e, lá está, saber que a linha que sigo não é só porque é o que estou habituada a ver. Queria um identidade própria. E acreditar mais em mim, também dava jeito lol ah, desabafos <3

      Ahah não te preocupes! Temos que marcar isso - fico à frente da tua objectiva como tínhamos falado, e tu da minha, vale? :p

      Eliminar
  4. Que fotografias tão, mas tão bonitas!! Adorei!
    Acho que deves arriscar, sim!! O talento e a criatividade já lá estão ;)

    Beijinhos!
    MESSY GAZING

    ResponderEliminar
  5. Sempre achei que tinhas olho de fotógrafa. Fico sempre encantada com as tuas fotos nos desafios fotográficos. Vês os detalhes e percebes o que os outros nem sempre vêm. Dás contexto, enquadramento, e desafias-te, exploras diferentes técnicas. Isso é tão importante! O resto traz-te a experiência, a prática. E se pelo caminho tiveres oportunidade de ir fazendo formação para aperfeiçoar, para evoluir, para perceber melhor alguns aspetos técnicos... melhor. Não deixes é que o não ter formação seja proibitivo de nada, até porque estas fotos estão lindas. Estão reais, bucólicas, românticas. Sempre temos que começar por algum lado... e se calhar na fotografia temos que começar fazendo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Vânia! Essa tua última frase está na mouche - e aí até posso falar porque foi assim mesmo que fui aprendendo umas coisas nesta área :) mas, acima de tudo, quero agradecer a tua visão sobre o que eu faço. Não imaginas como o que escreveste me aqueceu o coração!

      Eliminar
  6. Pelo que estou a ver aqui acho que fizeste um bom trabalho! Gosto das fotos! E se é isto que gostas de fazer — segue este caminho!

    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderEliminar
  7. Adorooo! As fotos ficaram incríveis Jiji!! :P
    Tens imenso talento e acho sem dúvida que devias tentar se é isto que gostas, não há nada melhor do que fazermos aquilo que gostamos! Mais vale tentares e se não correr como gostarias pronto, do que vires te a arrepender de nunca ter tentado e nunca saber no que poderia ter resultado! Força! Eu faria sem dúvida uma sessão contigo :P go girl!! <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ufa :p e eu que estou sempre a dizer isso aos outros! Suponho que tens razão - a dor do falhanço costuma ser menor do que a dor da dúvida...obrigada <3

      Eliminar
  8. Adorei, acho que as fotos estavam mesmo muito bonitas. Nota-se as emoções da noiva. Estão mesmo muito bonitas!! Acho que era uma exelente ideia seguir este caminho.

    ResponderEliminar
  9. Minha Ji, estou aqui estupidamente orgulhosa. Tens e sempre tiveste, desde que te conheço, uma visão muito bonito no que toca a fotografar. Adoro os teus tons suaves mas naturais, aqueles que realçam o que já lá está.

    Se devias investir nisto? Acho que sim, não acredito que seja preciso uma formação extensiva, esta área é mais de tentativa, erro e aprender com o tempo e a experiência. A verdade é que a única coisa que te posso dizer é tenta, manda-te mas tem uma coisa em mente, e aqui é a fotógrafa em mim a falar, não faças o que não gostarias que alguém fizesse no teu trabalho principal, não te vendas barato nem para começar, para ganhar uns trocos, por um lado estás a prejudicar-te, estás a passar uma imagem errada e o que não te falta é qualidade, o teu material não dita o teu preço, por outro lado o barato prejudica o resto da indústria porque as a maioria vai ao mais barato, e se o barato for bom então melhor ainda, e sei que ninguém acredita que o seu trabalho vale menos que o do vizinho e por isso deve receber menos. Acho que percebes o meu ponto de vista, mas mesmo assim Ji, já sabes, tenho confiança absoluta em ti para se fosse preciso mandar-te a minha máquina e atirar-te "aos leões" num casamento fazê-lo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha Jo <3 este teu comentário fez-me saltar um batimento. Tu sabes bem como valorizo a tua opinião nestas coisas - quase que acabas por ser minha mentora involuntária! - e não imaginas como fiquei feliz quando me disseste que confiarias em mim para me atirar aos leões por ti :) acredita que significa mesmo muito para mim!

      A questão da formação acaba por cair um pouco nisso. Ganhar ferramentas pela tentativa-erro, e por aprender com quem sabe - já entendes a minha alegria quando me fizeste aquela pergunta? :) E claro, o valor é outro aspecto que é sensível para mim: a dicotomia entre querer ganhar experiência e o respeito por quem já cá anda. E não quero desvalorizar-me nem quero que alguém sinta que me vai escolher por ser "baratita". Não sendo isto, pelo menos a curto-médio prazo, a minha fonte de rendimento (felizmente), posso dar-me ao luxo de querer respeitar o meu trabalho e o dos outros.

      Obrigada, Jo <3 de coração!

      Eliminar
  10. Estive na dúvida se escrevia alguma coisa. Porque acho que não vou acrescentar muito mais ao que já aqui foi dito por outras pessoas, mas vou tentar! Em primeiro lugar, deixa-me dizer-te que sempre gostei muito das tuas fotografias, acho que tens um olhar muito interessante sobre o mundo, e isso nota-se nas imagens que apresentas.

    A formação não é tudo. Há pessoas com formação com imagens da treta. Já o vi algumas vezes. E tu, mesmo sem formação específica, tens prática, tens experiência, tens tentativas, e tens o resultado desse esforço bem visível: imagens que nos fazem pensar "uau, que bonito! Que perspectiva única!". E de certeza que notas que evoluíste ao longo do tempo, que o teu trabalho fotográfico está diferente, está mais maduro.

    Dito isto, a formação também te pode ajudar em várias aspectos. Em primeiro lugar, e mesmo que não te dê absolutamente mais nada, dá-te paz de espírito. Tira-te essa sensação, esse tal síndrome do impostor. Depois, e mais importante, pode-te dar conhecimento e ferramentas que ainda não tens. Não tem mal nenhum não os teres, e de certeza que os consegues ganhar pela prática, mas eu acredito muito na formação, sabes? Independentemente da área. Porque te vai sempre dar coisas que sozinha não chegarias lá, por muito boa que sejas. Nem que seja uma outra perspectiva das coisas, uma outra forma de olhar.

    Independentemente de decidires fazer uma formação ou não, acredito que não deves desistir desse teu sonho. Vai, tenta, arrisca, luta. Com ou sem papel a dizer que estás "qualificada". Podes aprender muito com a formação, sim, mas já tens muito valor sem ela. Não te esqueças disso. Tens horas de experiência e de aprendizagem auto-didacta. Isso também conta. Muito. Faz um site, aceita mais trabalhos, lança-te do penhasco (com pára-quedas, claro). Mas não te vendas por tuta-e-meia. Sabe valorizar o teu trabalho, as horas que já investiste nisto.

    E se falhar? Se falhar, falhou. Ao menos tentaste e sabes que deste o melhor de ti. A vida continua. A sério.

    Acho que isto responde à primeira pergunta xD Agora em relação à segunda... Eu odeio (o-d-e-i--o) estar do outro lado da câmara, mas se te ajudar de alguma forma, conta comigo para o que precisares.

    Mundo Indefinido

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina <3 muito obrigada por teres decidido escrever: acredita que se pedi a vossa opinião é precisamente por achar que pessoas como tu me poderiam dar uma visão menos toldada pela minha própria parcialidade, e agradeço cada palavra que escreveste! Partilho da tua opinião relativamente à formação: não a considerando obrigatória nestas áreas para se fazer um bom trabalho, acho que é uma ferramenta muito valiosa. Dito isto, de facto a minha auto-formação já conta com largos anos ahah :)

      Muito obrigada pelo voto de confiança, a sério <3

      Eliminar
  11. Jiji, acho que tens muitos motivos para estar orgulhosa deste trabalho! Eu adorei as fotos e sobretudo acho que transmitem a felicidade de um dia tão especial como terá sido esse. Respondendo às questões, acho que já tens o talento e deves seguir em frente e nos entretantos aproveitar para tirar alguma formação que nunca será demais e que só te fará crescer e melhorar. Se fazia uma sessão contigo? É para já!
    Muitos parabéns pelo teu trabalho e pela tua dedicação e por conseguires ser tão feliz no teu trabalho e ainda noutra paixão que pode vir a ser um segundo trabalho.

    Beijinhos,
    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Daniela! O saber não ocupa lugar, mas talvez deva ter mesmo um pouco mais de confiança no que faço :) Obrigada pelas tuas palavras <3 beijo!

      Eliminar
  12. Joana não duvides por um segundo das tuas capacidades! Já vi muitas fotografias tuas excelentes, e com este casamento fizeste um bom trabalho! Tens aqui fotografias muito bonitas, que captam emoção e contam a história desse dia!
    Deves sim apostar nisso, se é algo que gostavas de fazer! E que não ter formação profissional não te impeça!
    Para mim, a formação que fiz valeu de muito, é certo, mas eu sou da opinião de que essa formação pode vir de várias formas. É óptimo aprender com profissionais, mas também há muitos meios autodidactas a que podemos recorrer, o mais importante é dedicarmos tempo à aprendizagem para progredir sempre, tenhamos pouca ou muita experiência! :)

    Um beijinho,

    Sofia | Monochromatic Wave


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sofia! Não imaginas como fico feliz ao ler o que escreveste - acompanho e adoro o teu trabalho por isso é mesmo de coração cheio que as leio! E sem dúvida que a formação tem que ser contínua - no dia em que estiver 100% satisfeita com o que faço, é muito mau sinal. Estagnar não é o caminho. Obrigada, de coração! <3

      Eliminar