Enjoy + Fórum de Ideias | Movie 36 | Da força [das mulheres]

O mês de Abril foi recheado de murros no estômago no que diz respeito ao que vi para o nosso Movie 36. Desde histórias que me puseram a pensar sobre outras realidades bem mais difíceis do que a minha, a documentários que me deixaram de boca aberta e com visões completamente opostas sobre o futuro: medo e esperança.


A verdade é que tudo o que vos trago este mês nos fala de Força. Dos seus resultados, da sua persistência, ou até da falta dela. Da força para passar por cima das adversidades, de lidar com o que de mau acontece, ou de nos deixar ir abaixo. Da força para resistir à tentação de seguir com o status quo ou de o quebrar e defender o que nos parece correcto e nos chama. Da força de perceber que somos humanos, e não máquinas, e de procurar o sentido de tudo isto.

Poderia apresentar-vos aqui as minhas certezas: que nunca deixaria a minha Mãe sozinha se a visse perder-se de si mesma; que nunca tomaria estimulantes para ganhar poderes sobre-humanos e produzir como uma máquina; que nunca pensaria que uma mulher não pode ser astronauta. Mas a verdade é que também tenho os meus momentos de egoísmo; também já fiz asneiras só porque "sabe bem", mesmo sabendo que prejudicava a minha saúde; também escolhi uma área que seria a minha segunda opção porque na que mais me atraía "nunca me vão dar trabalho naquilo que eu realmente quero". É fácil escrever-vos mil certezas sentada no escritório, sem a realidade a bater-me à porta. Mas quando temos que realmente decidir, é inegável que a sociedade em que estamos inseridos, o nosso ambiente familiar, os nossos exemplos, vão, sem dúvida alguma, influenciar-nos. E, por isso, a única certeza que sei que não está errada é a de que devemos sempre pôr a mão na consciência e pensar nas consequências de cada um dos passos que tomamos. E ter a Força para decidir pelo que realmente faz sentido.

Um Quente Agosto conta-nos a história de uma família completamente disfuncional, que funciona à sua maneira. É um filme intenso, verdadeiro, cru, que nos mostra o lado negro do amor: a manipulação, o sentimento de posse e de perda, a incompreensão e a sensação de injustiça. Conta com um elenco de luxo que faz jus à história que é contada: Meryl Streep, Julia Roberts, Chris Cooper, Ewan McGregor, entre outros.


Descobri recentemente que tenho um pequeno vício por documentários da Netflix. O primeiro do mês foi o Take Your Pills, que retrata o consumo descontrolado de drogas estimulantes de performance para os lados do Uncle Sam, como a anfetamina e a ritalina. A verdade é que me vi obrigada a perguntar a amigos em áreas de grande competição cá em Portugal se o mesmo acontecia cá, e, embora não seja de todo comum, é já uma realidade. E assustadora. Tanto pelo lado da saúde e tendo em conta os potenciais perigos cardiovasculares e psicóticos, como pelo lado revelador de uma sociedade loucamente competitiva que nos exige que sejamos melhores do que o melhor dos humanos. Que nos exige que sejamos máquinas: onde fica o comportamento humano? Os sentimentos? Os devaneios? A Arte? Onde fica o Homem?


Mercury 13, para terminar em grande. Este documentário foi a minha descoberta preferida do mês. Fala-nos do programa Mercury 13 que, antes de ser interrompido à força, se preparava para incluir mulheres nas campanhas de exploração espacial da NASA nos anos 60. Mulheres essas que tinham já provado ser tão capazes como os homens que as antecederam e que foram excluídas simplesmente... por serem mulheres. Com o aval de uma que era a grande piloto da época - Jacqueline Cochran - que ao ser excluída do programa por já não ter aptidão física se prontificou a testemunhar e dizer que se as mulheres fossem para o espaço a sociedade americana iria colapsar. Este episódio é a prova de que a luta não foi em vão - hoje isto seria impensável. E ainda bem que assim é. Mas nunca devemos tomar nada como garantido nem desvalorizar os sacrifícios que foram feitos para que até aqui chegássemos.


Um mês de aprendizagem e de reflexão, mas confesso que preciso de me animar um pouco em Maio! Sugestões?

Publicação inserida no projeto #MOVIE36
A criadora, Carolayne Ramos, do blogue "IMPERIUM"
A parceira oficial, Sofia Costa Lima, do blogue "A Sofia World"
As participantes:
Inês Vivas, "VIVUS" | Vanessa Moreira, "Make It Flower" | Joana Almeida, "Twice Joaninha
Joana Sousa, "Jiji" | Alice Ramires, "Senta-te e Respira" | Cherry, "Life of Cherry"
Sónia Pinto, "By The Library" | Francisca Gonçalves, "Francisca" | Inês Pinto, "Wallflower
Carina Tomaz, "Discolored Winter" | Sofia Ferreira, "Por onde anda a Sofia"
Rosana Vieira, "Automatic Destiny" | Abby, "Simplicity" | Sofia, "Ensaio Sobre o Desassossego"


0 comentários: